quinta-feira, 8 de agosto de 2013

GOVERNO DESCONHECE TAXA DE REINCIDÊNCIA


País não sabe quantos ex-presidiários voltam ao crime. CNJ prepara estudo sobre o tema

JULIANA CASTRO
O GLOBO
Publicado:16/03/13 - 20h00


RIO — O Brasil não sabe quantos de seus ex-presidiários voltam ao crime, ou seja, é um país que ignora a taxa de reincidência. Alguns estudos informam que o índice chega a pelo menos 70%, mas, segundo especialistas, não se trata de um dado empírico e oficial.

— Eu desconfio que esse índice não é medido porque os estados e o governo federal não têm interesse em demonstrar o montante de sua falha, de sua ineficácia. Cada vez que você tem um reincidente, você tem o atestado de uma falha — disse Elizabeth Süssekind, ex-secretária nacional de Justiça e professora da Unirio.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) já deu início a um projeto para chegar, por meio de amostragem, à taxa de reincidência, e pretende divulgá-la ainda no primeiro semestre deste ano. De acordo com a diretora-executiva do Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) do conselho, Janaína Penalva, a amostra vai abranger sete estados: Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná, Espírito Santo, Alagoas e Pernambuco.

A pesquisa do conselho leva em conta pessoas que cumpriram a pena até o ano de 2006. Assim, o departamento vai pesquisar a vida dos ex-presidiários nos cinco anos posteriores a esta data, para verificar se houve retorno ao crime.

Para chegar à taxa de reincidência, o CNJ vai considerar o conceito legal, o de que é reincidente aquele que teve uma nova condenação penal.

— Todo mundo quer punir, prender os que cometem um crime, mas é preciso ver que nível de eficácia esse modelo tem. Os resultados têm que ser aproveitados e serem usados em alternativas. O índice a que vamos chegar pode mostrar os desafios e dificuldades que o sistema penitenciário tem — disse Janaína.

O estudo chamado de “Reincidência e Itinerários Criminais no Brasil” será entregue ao Ministério da Justiça.

Um comentário:

João Cirino Gomes disse...

O Brasil tem 513 anos de injustiças, patifarias e corrupções, e isso só vai acabar, se a população se unir e juntos, arrancarmos as "parasitas", plantas malignas e espinhosas dos vasos internos; pondo um fim na lei de imunidade e na lei de foru privilegiado!

O resto gente, sinto, lamento e choro, mas são somente projetos fantasiosos dos espertalhões para continuar ludibriando e enganando a população escravizada e desinformada.

Enquanto a mídia sensacionalista e vendida não divulgar estes absurdos; as corrupções persistirão; e as cadeias continuarão superlotadas, mas só de pobres, sem poder aquisitivo, sem eira nem beira! E isso não é justiça.
Ao invés de buscar privilégios de classes, vamos nos unir e lutar por justiça social, pois devido a estes desentendimentos, o Brasil esta parecendo a Torre de Babel, ninguém se entende!

E as marchas da pouca vergonha, dos denominados ninjas e das vadias, nos faz recordar Sodoma e Gomorra.
Os políticos canalhas estão pagando este pessoal para melar as passeatas, pois sabem que um pai de família não quer ver sua esposa e filhos junto a este bando de desavergonhados.
Abaixo assinado pelo fim da imunidade:>http://www.peticaopublica.com.br/?pi=Janciron
ESTE É O PRIMEIRO PASSO PARA TERMOS UM PAÍS DEMOCRÁTICO, COM DIREITOS IGUAIS E JUSTIÇA SOCIAL!
Os que negarem estes fatos, ou são corruptos, ou estão a serviço dos corruptos.
Em uma democracia deve prevalecer à vontade e direito da maioria; ninguém é obrigado ser político, seja quem quiser.
Mas se roubar, desviar, ou superfaturar, deve ser julgado por um júri popular!
E se condenado, deve ser punido e devolver o valor surrupiado; isso sim é justiça; ou então, vamos continuar sendo roubados pelos canalhas, e continuaremos vendo juízes corruptos vendendo sentenças, e superlotando os presídios de pobres, sem poder aquisitivo, sem eira nem beira! Isso lhes trás Lucro, pois os desavergonhados estão tirando vantagens destas suas vítimas miseráveis; superfaturando nas construções de presídios, e nas estadias dos presos!