sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

MASMORRA MEDIEVAL: carceragem da Polinter registra 56,7 graus


Sauna.'Masmorra medieval': carceragem da Polinter registra 56,7 graus - O Globo Online - 11/02/2010 às 23h45m; Antônio Werneck. http://oglobo.globo.com/rio/mat/2010/02/11/masmorra-medieval-carceragem-da-polinter-registra-56-7-graus-915847950.asp.

Presos são amontoados na carceragem da Polinter no bairro de Neves, em São Gonçalo sob 56,7 graus mesmo com ar-condicionado. No escuro das celas superlotadas, com cerca de 700 presos. Mesmo com dois aparelhos de ar-condicionado ligados, instalados de emergência. A carceragem tem dez celas com cerca de 18 metros quadrados. Em cada uma delas estão confinados mais de 70 presos. As temperaturas foram medidas com um termômetro digital levado pelos repórteres do GLOBO, que entraram nas celas aproveitando a inspeção de uma equipe de promotores da Defensoria Pública estadual. Do lado de fora da carceragem, a temperatura média medida - quase no mesmo horário - pelo mesmo aparelho era de 37 graus ao sol.

- Precisamos fazer alguma coisa urgente, caso contrário os presos vão começar a morrer de tanto calor. Isso aqui lembra uma masmorra medieval - disse o delegado Orlando Zaccone, coordenador-geral de controle de presos da Polícia Civil, ao admitir que o local precisa ser fechado imediatamente antes que um dos presos morra.

- Impetramos várias ações civis públicas pedindo o fechamento da carceragem - disse o promotor Denis Sampaio, coordenador criminal da Defensoria Pública, que estive diversas vezes no local

- Fiquei apenas meia hora lá dentro e quase derreti. A minha sensação era a de ter voltado ao século XVI, entrando no porão de um navio negreiro. É difícil acreditar que os presos com tanto calor estão conseguindo sobreviver, disse o francês Pierre Equinet, que há 22 anos vive no Brasil e no ano passado passou a fazer trabalho humanitário numa ONG do Rio.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Onde estão os defensores dos Direitos Humanos? Onde estão so defensores dos apenados? Onde estão o CNJ, o STF, o STJ, o TJE que deveria exigir dos magistrados a supervisão da execução penal? Onde está o Chefe do Executivo, principal responsável pela guarda e custódia de presos? Onde estão os parlamentes que deveria fiscalizar os atos do Executivo? Onde está o Ministério Público que deveria denúnciar o Chefe do Executivo por crime contra direitos humanos? Onde estão todos? Provavelmente estão vendados com a tira do corporativismo que os impede de enxergar os erros e omissões de uns e de outros.

PODEM SER BANDIDOS, MAS SÃO SERES HUMANOS QUE O ESTADO DEVERIA TENTAR RECUPERAR PARA O BEM DA COLETIVIDADE E DA ORDEM PÚBLICA.

"Isso aqui lembra uma masmorra medieval". Orlando Zaccone, Delegado PC.

"Os navios negreiros, as masmorras medievais e os campos de concentração que transformavam pessoas em animais não foram suficientes para acordar os governantes e a sociedade? A humanidade não pode tolerar tal repetição nos presídios brasileiros." Jorge Bengochea

4 comentários:

Avanço ambiental disse...

Gostaria de dizer que nós cidadãos, deveriamos pençar em cobrar de nossos governantes a prevençaõ contra crimes, e que estes crimes muitas vezes são cometidos pela omição da propria lei. Estamos muito ocupados com nós mesmos e muitas vezes esquecemos de cobrar de nossos governantes um posicionamento mais humanitário. A educação neste país ainda é muito precaria e só com educação e comprometimento poderemos abrir uma clareira melhor para o futuro. Dar oportunidade as pessoas poderia ser num bom motivo para que isto comece a acontecer.Ver em que parte de suas vidas as pessoas envolvidas em crimes erraram, mediante isto, poderiamos analisar e localizar onde poderiamos rever os conceitos perdidos, uma espécie de conferência dos direitos humanos.

Antonio Lourenço Filho Diretor da ONG OGTREC Defesa do Meio Ambiente

Jorge Bengochea disse...

Lourenço. Tens razão. Nossos governantes só tratam da educação, saúde e segurança em época de eleições, depois esquecem, abandonam e não investem em recursos e nem pessoal. Quanto aos aos presídios, o Chefe do Executivo, com as condições e tratamento que pratica e oferece,impunemente, vem cometendo crimes contra os direitos humanos na guarda e custódia de presos. Precisamos cobrar dos nossos representantes no Legislativo o motivo pelo qual estão sendo conivente com esta prática. Exigir também do Ministério Público que parece amarrado e não denuncia,e saber os motivos pelo qual o Judiciário se omite na supervisão da execução penal deixando de processar os responsáveis. As masmorras medievais e os campos de concentração que transformavam pessoas em animais não foram suficientes para acordar os governantes e a sociedade? A humanidade não pode tolerar tal repetição nos presídios brasileiros.

Avanço Ambiental disse...

Gostaria de escrever este poema diretamente para as pessoas refletirem, e saber que tem o poder nas mãos, mas perdem a magnifica oportunidade de exercer-los dignamente.

POEMA

Grades Eternas

Não sei se ouço
Os que falam da vida
Sobre a vida dos outros
Que vivem, na vida fatidica
Não sei se falo deles
Para que eles saibam
Que são eles o produto desta vida
Mas olho para eles e vejo
O resultado real, deles
Que são o produto do meio
Da vida de fato fatidica

Da vadia que vagueia na via
Ao drogado que esvazia a propria vida
Do soldado que mata e atira
A vida do marginal que margeia
Junto com a lei que marginaliza
O Congreso com a espada que mata
A matança que vem da escrita
Do Juridico poema, que resvala na lei
Das leis que superlotam as prisões

Ouve-se os gritos em desabafo tormento
Que atrás das grades amontoam lamentos
Aguardando a burocratica hora, que o tepo não perdeoa
Sucumbindo em prantos e choros
Lagrimas, aguardando a hora perdida
Da saida das grades malditas

Suor fétido da superlotação de celas e carceres
Dos que suicidam a sua própria esperança
Da vida que os torna infernais
Que na procura de uma vida mança, cultivam
Cometem crimes que lhes acometem
E lhes roubam a vida
Na espera da perpetua hora, que não chega jamais
Da sentença da pena maldita
Nas cicatrizes da alma escondida
A vergonha e o tempo perdido
Que a te não volta jamais.

Antonio Lourenço Filho

Avanço Ambiental disse...

Frutos do Sistema Captalista Selvagem

S.O.S. Ao futuro com: Cidades organizadas...crianças educadas... adultos livres !

Quando um país constroi prisões, significa que o índice de educação e organização de seu povo, está muito baixa. Atinge directamente a falta de comprimento das leis, que em sua lentidão, abortão e acumulam processos, que há muito, não conseguem atender a grande demanda, frente a uma crescente e progressiva onda de violência, não podendo assim, exercer com eficácia, o seu papel na sociedade, que, cada vez mais clama por segurança.
Dar maior oportunidade de educação ao seu povo e oferecer nas grandes cidades um leque maior de oportunidade, frente as acções sociais e na educação e geração de trabalho, seria uma hipótese a considerar. Nossos representantes estão tão ocupados em se manterem no poder e nos conchavos políticos, que os levarão ao poder e as benecias das dependências governamentais que, esquecem de prestar atenção em coisas fundamentais como organização social, para que deste modo, possamos abandonar um crescimento desordenado que aí está e começar a pensar em acções eficazes de crescimento ordenado, que atendam a actual população que cresce desordenadamente morro acima, aumentando as favelas e os problemas ambientais, fazendo da periferia um ponto de formação e regressão de pessoas que perdem a oportunidades de uma vida digna e passam a fazer parte, de uma vida miserável e de exclusão social. Ninguém nasce criminoso, mas a falta de oportunidade e o esquecimento, gera sérias consequências, levando o povo ao prejuiso moral, desvirtuando assim o seu carater.
A fome não espera para o outro dia, quando uma criança que chora, se alimente devidamente. As doenças não esperarão que pessoas que estão doente e sem dinheiro, para comprar os remédios, em sua maioria caros e se desesperam, quando ficam horas nas filas, implorando atendimento medico em vão e as vezes, morrem sem atendimento. O sistema é perverso e não perde tempo, faz da miséria oportunidade, para que mais jovens, pais e mães de família, que estão famintos, e com problemas e com seus familiares doentes e famintos, desvirtuados, vão em busca de oportunidade, sejam vitimas de desilusões e ingressem na trilha brutal e sem volta do vicio do crak e outras drogas.
Em alguns casos, é obivia a utilização do poder e a influência de alguns cargos, que deveriam proteger e cumprir a lei, se omitirem, abrindo uma brecha, permitindo assim, que pessoas de conduta ilícita, se lo completem, utilizando para o mercado do crime, a mão de obra infantil e a dos que estão em situações difícil, levando-os aos irretornáveis caminhos do consumo e da venda de drogas, que trás, sérias consequências as comunidades, as famílias e assolam o país. Deste modo as prisões estarão cada vez mais cheias e a segurança dos cidadãos que vivem em situação normal, comprometidas. A segurança serão falhas, estes serão eternas vitimas da violência, pois não existe tranquilidade, sem oportunidade e aí, todos pagam o preço, ninguem sabe onde, nem quando, mas pode acontescer. Um país nunca será digno, se o seu povo for miserável e nunca será livre, se não for organizado. Então o crescimento passará a ser de fato, de menor relevância e a organização passa a ser prioritária, devendo ser socialmente justa, daí, pode-se planejar melhor um sistema carcerário voltado para a recuperação, com trabalho, ocupação e educação, e a espontânea reintegração de seus ocupantes à sociedade, passa a ser uma realidade.
"Grades, não são para fazer monstros e sim recuperar homens e os fazerem dignos, dar oportunidade e educar crianças, é ter no futuro, a garantia da ausência das grades, estas não serão necessárias".